O CASO DO IAGOS

Caros leitores da Dream Big,

 

Pessoas próximas a mim sabem bem da tamanha gratidão que tenho por esses últimos cinco anos que vivi aqui nos Estados Unidos. Espero que essa breve mensagem transmita esse sentimento e te encoraje a perseguir esses sonhos grandes.

Em Agosto de 2013, embarquei em Porto Alegre em meio a lágrimas para viajar aos Estados Unidos. Na época, mal sabia falar inglês. 

Recordo que durante o meu primeiro ano de estudos, conversava com estudantes americanos e seguidamente recebia olhares estranhos e confusos de colegas, percebendo que meu sotaque e maneira de falar era pouco entendido pelo nativo Americano. Lembro que o desconforto era grande e que precisaria me dedicar para mudar.

Dando um pulo cinco anos à frente, hoje trabalho na Ernst & Young, uma empresa que tive como objetivo desde o meu segundo ano de faculdade. Atualmente, a Ernst & Young é nomeada como líder de mercado em consultoria global e eleita como uma das mais prestigiadas companhias para se trabalhar.

Hoje, olho para esses anos que se passaram, e mesmo como protagonista da minha história, às vezes me pergunto como conquistei esse sonho. E é aí que vem a moral da história.

Nós seres humanos somos especialistas em visualizar topo de montanhas e ideais de vida. É fácil querer ter dinheiro, sucesso, uma vida completa, felicidade, saúde, e um corpo sarado. O que muitos não percebem é que existe uma jornada árdua entre o início da montanha e o topo. Poucos observam que na verdade existe um grande espaço entre a base e o topo. Viver fora do Brasil me fez perceber que a realidade é mais dura que imaginamos. Lutar sem a ajuda do pai e da mãe me mostrou que a vida não é tão carinhosa assim. Sem esforço, nada acontece. Sem sacrifício e sofrimento, o ser humano não evolui. Afinal de contas, como você provavelmente já ouviu, ‘’if it was easy, everybody would do it’’.

Em nenhum momento estou aqui para dizer que o meu emprego atual significa que estou no topo da montanha, mas a lição que quero destacar é que os Estados Unidos me mostrou que as 5 horas de sono por dia, incontáveis horas de estudo, e a contínua necessidade de provar que era capaz me mostraram que os sonhos que temos não caem do céu. Se perceber agora que as dificuldades lhe forjarão, começará a apreciar a escalada, e consequentemente, será alguém de muito sucesso.

Então, eu te convido a essa oportunidade de morar fora do Brasil por um tempo. Os Estados Unidos foi o melhor instrutor que pude ter. Ele me ensinou a amar os desafios e me sentir confortável com o desconfortável.

Gostaria muito que tu também pudesse ver isso com teus próprios olhos. Sonhar grande vale a pena!

- Iagos Lucca